Olá, a crônica de hoje fala sobre a história de uma família que poderia ser a de qualquer um.

 

Valter e Claudia casaram por volta dos 20 anos e com dois anos de casamento veio o primeiro filho, Pedro.

Dois anos depois em um descuido do casal nasceu a filha Bianca.

Valter estudou somente até o ensino médio e logo no seu primeiro emprego conseguiu a vaga de motorista, quando saiu desse emprego comprou um carro e virou taxista. Claudia era professora. Dava aula em dois colégios, um pela manhã e outro a tarde. Para quem conhece pessoas que tenham essas profissões, sabe que esses profissionais não ganham rios de dinheiro. Assim criaram a família de forma confortável, mas modesta.

Após alguns anos trabalhando com taxi, Valter conseguiu uma vaga no aeroporto de Congonhas e sempre carregava executivos que faziam pequenas viagens a trabalho.

Comunicativo, sempre perguntava de onde vinha, o que faziam e etc. e sempre conseguia fazer amizades com os passageiros. Às vezes, acontecia de pegar algum passageiro que já havia transportado e sempre era um reencontro agradável.

Mas a vida que ele tinha não era a que ele queria para os filhos. Assim ele sempre os incentivava a estudar para terem melhores oportunidades na vida.

Pedro formou-se em contabilidade e fez cursos complementares em tributação. Entrou em um hotel como controller e tinha uma vida bastante dedicada ao trabalho. Bianca formou-se em direito e associou-se a um grande escritório advocatício.

O grande orgulho dos filhos sempre fazia com que eles estivessem entre os assuntos com os passageiros.

Quando pequenos, sempre que estavam juntos Valter contava as histórias dos passageiros e sonhava um dia levar um dos filhos para uma viagem de negócios, os filhos gostavam da ideia e compartilhavam do sonho do pai.

Aos 28 anos Pedro casou e foi morar um pouco distante dos pais. Apesar de sempre entrar em contato, algumas rotinas do seu dia-a-dia não eram mais de conhecimento deles.

No dia 06 de setembro de 2012, Valter estava empolgado. Véspera de feriado prolongado o vai e vem dos passageiros no aeroporto eram intensos e era a chance de faturar o valor do dia e dos próximos que não teriam movimentos na cidade por tratar de um feriado prolongado.

Por volta das 20h00 entrou na fila mais uma vez. A fila estava andando bastante rápida, mas Valter baixou o olhar para ver o sms que havia recebido de Claudia perguntando até que horas ele tinha pretensão de trabalhar, pois queria jantar com ele e a filha em algum lugar aconchegante, iniciar com o pé direito os dias de descanso.

Leu rapidamente e deixou para responder assim que deixasse o próximo passageiro, pois não sabia até onde teria que ir e o trânsito estava bastante congestionado.

Ao terminar de ler o sms chegou sua vez e ao abrir a porta para o passageiro teve uma grata surpresa. Pedro o olhava sorrindo por ter percebido que ele não havia notado que ele era o passageiro.

Ao entrar no carro, Pedro o abraçou e o beijou, depois teve que trocar de lugar com o pai. Valter estava emocionadíssimo diante da realização de um sonho. Seu filho havia chego de uma reunião com a administradora do hotel onde trabalhava.

Pedro foi direto à sua casa, pegou sua esposa e foram todos jantar juntos.

A partir dessa data sempre em suas conversas Valter mencionava seu sonho realizado e comentava com seus passageiros da importância dos pais desejarem boas coisas aos filhos e os auxiliarem a conquistar seus objetivos.

7 thoughts on “Crônica de Família

  1. Acho q esse deve ser o desejo de todos os pais. Realmente ver os filhos realizados e felizes na vida é tudo oq um pai e uma mãe pode querer e ajudá-los a alcançar isso é uma obrigação.

    1. Agnaldo,

      Talvez por isso esse seja nosso texto de maior acesso.

      Obrigado por visitar nosso site e dividir sua opinião conosco. Fique a vontade para comentar os demais textos também.

      Abraços, Sam.

  2. Obrigada Samuel por seu texto, vou utilizá-lo em minha aula de cronica, tema família.

    1. Maria,

      Fico imensamente feliz.
      A intensão desse site é que as pessoas parem para refletir sobre nossas visões e situações expostas em nossas crônicas.
      É bom saber que essa crônica que tem um pouco de fantasia e realidade vai ajudar você em aula e pode vir a fazer jovens a refletirem também.

      Obrigado e um beijo de todos do Fatos e Reflexões.

    1. Olá Maycom,

      Fico muito feliz que tenha gostado de uma crônica que tem 80% de realidade.
      Continue visitando nosso blog e deixando sua opinião.

      Abraços, Sam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *