Olá amigos,

 

Qual seria sua reação se você ficasse sabendo que fizeram uma grande festa com muita bebida, comida e presentes em comemoração ao seu aniversário, mas não te convidaram?

Que sentimento te invadiria se no dia do seu aniversário ninguém ligasse para te dar os parabéns, nenhuma mensagem no Facebook ou pelo Whatsapp?

Seria válida toda essa comemoração? Te traria felicidade? Você consideraria comemorado seu aniversário?

Levando em consideração que o Natal seja a comemoração do aniversário de Jesus Cristo, me questiono se a humanidade tem feito a comemoração da forma certa.

Porque essa correria aos centros comerciais? Porque as crianças só pensam no Papai Noel? Porque esse alvoroço todo?

Se todos os que comemoram o Natal são Cristãos e, portanto, tem uma religião, não seria mais coerente essa comemoração ser com orações, rezas e consagração ao Aniversariante?

Pela lógica, as igrejas deveriam ficar lotadas, os presentes deveriam ser uma apresentação de corações sinceros em agradecimentos pelos Seus feitos e o alimento não poderia ser um bolo de aniversariante divido entre Seus irmãos?

Mas nas comemorações vemos embriagues, luxuria, ira, gula e todas as formas de pecados que são na verdade ofensas ao Aniversariante.

Quase ninguém faz uma oração, se ajoelha em ato de humildade e o adora confessando Sua superioridade sobre toda a humanidade.

O correto seria comemorar o nascimento e Sua paixão e morte todos os dias, pois ainda assim não seria suficiente diante dos feitos Dele, mas mesmo nos únicos dias designados para isso, vemos as pessoas preocupadas com muitas coisas, menos com Ele.

Não adiantou o menino Jesus ter nascido em uma manjedoura e ter pregado a humildade e o desapego das coisas materiais. A humanidade subverteu seus ensinamentos e usam seu nome para satisfazer suas vontades e prazeres.

Para os que não acreditam Nele, não há nada a mudar, mas para os que se dizem Cristãos, creio que seja melhor repensar a forma de comemorar o Natal, coloque em prática a oração de São Francisco de Assis:

 

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
Compreender, que ser compreendido;
Amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

 

Abraços, Sam.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *