Olá amigos,

 

Hoje pela manhã enquanto me dirigia ao trabalho, ouvi as declarações do secretário de segurança do Estado de São Paulo sobre a onde de violência que passamos nos últimos meses.

O que mais me deixa indignado não é que eles não tenham a capacidade de resolver o problema, o que me irrita e muito é ele querer fazer a população de idiota e negar o que está nítido a todos nós.

Ele como secretário de segurança tem a obrigação de não colocar a população em pânico, mas então se use do direito de ficar calado.

Para quem não está acompanhando o que está acontecendo, só no ano de 2012 já foram mortos mais de 86 policiais militares no estado de São Paulo além de ônibus incendiados, toque de recolher, etc.

Ontem o Shopping Aricanduva chegou a fechar as portas por volta das 20h00, na favela do Paraisópolis a policia encontrou uma lista com mais de 40 nomes de policiais que deveriam ser mortos em todo o estado, alguns até com as descrições físicas. Na semana passada o comércio na região de Osasco teve que fechar as portas e moradores que trabalhavam ou estudavam até tarde dormiram na casa de parentes em outros  endereços na região metropolitana.

Ao passar pelas bases das polícias militares é comum encontrar cones fechando parcialmente algumas ruas e avenidas a fim de evitar que sejam alvos de carros e motos que passem atirando contra eles.

Todos os dias ao ligar o rádio as 06:00 da manhã, os principais destaques são da violência que tem assolado não só a região metropolitana como também o interior do estado como a região de Ribeirão Preto.

Nem a Avenida Paulista, centro financeiro e cultural da cidade está livre. Ontem uma escola de idiomas dispensou os alunos duas horas antes do termino das aulas e no metro os usuários comentavam sobre o toque de recolher.

Mas, mesmo diante de tudo isso, o secretário de segurança declarou que a polícia tem controle sobre a situação, que não há necessidade de ajuda do governo federal e ao contrário do que acontece em outros estados, aqui a polícia entra em qualquer lugar e há uma equipe de inteligência autossuficiente para cuidar da segurança do estado de São Paulo.

Com as informações expostas acima, concluo que ou a imprensa e a sociedade são todos idiotas criando uma onda de pânico sem fundamento e que todas essas mortes são frutos do acaso ou o secretário quer nos tratar como idiotas que não é capaz de ver o que acontece rua a rua, bairro a bairro não só na região metropolitana como no interior de São Paulo.

O pior é que não é a primeira vez que isso ocorre no estado de São Paulo, em maio de 2006 a cidade de São Paulo também passou pelo horror dos ataques de organizações criminais contra as forças de segurança.

Na época funcionários também foram dispensados mais cedo e as escolas e faculdades cancelaram as aulas. Eu por exemplo, tive que dormir no hotel em que trabalhava para caso os colaboradores não conseguisse ir trabalhar no outro dia os que puderam dormir no hotel poderiam dar continuidade no funcionamento do mesmo.

Mas como nos dias de hoje, as autoridades negavam a falta de controle sobre a situação. Assim, vemos que o crime é bem mais organizado do que as equipes governamentais e que quando algo os desagrada eles tem uma força enorme que intimidam as autoridades e a população.

A pergunta que deixo no ar é: Vivemos ou não uma guerra civil? Onde está a ordem e o progresso descritos na bandeira nacional?

 

Ó Patria amada,

Idolatrada,

Salve-se, Salva-se!!!

 

Abraços, Sam.

 

Fontes:

Radio Bandnews FM – www.bandnewsfm.com.br

Jornal O Estado de São Paulo – www.estadao.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *