O terror perto de todos

Olá amigos,

O mundo dormiu e acordou hoje estarrecido. Mais uma vez a capital francesa foi alvo de ataques terroristas em apenas onze meses.

Como ouvi nos depoimentos de moradores de Paris e na análise de jornalistas que acompanham os fatos de perto o que mais assusta é que dessa vez não tem um alvo específico.

Nos ataques no começo do ano foram o jornal sátiro Charlie Hebdo e a comunidade judaica que eram considerados inimigos dos terroristas islâmicos. Dessa vez era qualquer um.

Com o mundo cada vez mais globalizado, todos nós hoje temos familiares e amigos espalhados pelo mundo e, portanto, frágeis a um ataque como esse.

Isso nos dá a sensação que o terrorismo está cada vez mais perto de todos nós.

Desde setembro de 2001 diversas cidades já foram atacadas como Nova York, Londres, Madrid, Boston, Paris, etc.

Eu por exemplo tenho familiares em Hyannis que fica próximo a Boston e tenho também em Lisboa, mas como o acesso entre os países da Europa é muito fácil, ela poderia estar a passeio em Paris dessa vez ou em qualquer outro ponto.

Brasil

Não precisou de muitas conversas para ouvir a célebre frase “Graças a Deus aqui no Brasil não tem dessas coisas”.

Ah povo brasileiro, como vocês são “inocentes” por assim dizer.

O portal UOL tem como um de seus destaques hoje que o governo do estado de São Paulo ocultou dados sobre mortes decorrentes de intervenção da PM principalmente de policiais em dias de folga.

Na reportagem tem o gráfico onde mostra que só em 2015, operações policiais já mataram 469 pessoas. Esse número é três vezes mais do que a quantidade de pessoas mortas nesse último atentado em Paris.

Não é incomum vermos na imprensa que morre mais gente no Brasil entre confrontos de traficantes e também com a polícia do que em guerras declaradas pelo mundo.

O povo brasileiro precisa parar de achar que vive em um país maravilhoso, de paz e amor, porque enquanto ficarmos olhando para o mundo achando que lá o terrorismo existe, é lá que mora o perigo, aqui pais e mães de família, jovens e crianças são vítimas dessa guerra civil que acontece todos os dias em todas as cidades brasileiras e mata, aprisiona nas drogas, no crime, na falta de educação, de saúde básica e tantas outras coisas que são básicas para uma sociedade se desenvolver.

Ainda é melhor viver nos EUA e na Europa sob o risco de um ataque eventual do que viver no Brasil onde o ataque é quase certo.

Meus sentimentos respeitosos a todos os franceses e as pessoas de todas as nacionalidades que foram vítimas diretas ou indiretas desses ataques que devem sim ser repudiados por todos.

E continuemos lutando por dias melhores, para sempre.

Abraços, Sam.

Referências:
UOL

Deixe uma resposta