Costumo discutir muito sobre esse assunto. Podemos conversar sobre isso dias e dias e ainda sobra assunto. Gosto muito de analisar e observar o jeito de cada um… e, assim, depois de muitas conversas entre amigos e, principalmente, com Hellersp, Samuel e Andreza Helen, estou eu aqui querendo compartilhar ideias com vocês também.

 

Como são importantes as decisões dos pais na vida dos filhos… bom isso todo mundo já comenta, mas até onde uma decisão deles pode nos afetar?… eu acredito que em tudo. Sempre comentamos que os pais têm  o poder de criar pessoas maravilhosas, ou o poder de destruição, acredito que ninguém tem esse poder tão forte em suas mãos.

 

Tem pais, com uma vida em que eles estão satisfeitos, onde não falta amor, carinho, compreensão e amizade, algo muito importante para um bom relacionamento, porém tem aqueles que não estão felizes com o que a vida está proporcionando ou, até mesmo, com as escolhas deles mesmos, que, segundo sua visão, não foram bem sucedidas… quando eles tem muitas duvidas e receios, não tem liberdade com os filhos e assim vai.

Conheço mães que se consideram a donas da razão, elas acreditam saber de tudo o que ocorre na vida dos filhos, chegam a acreditar que preveem o futuro, brigam por tudo, mesmo que sejam coisas simples, e com isso, com o passar do tempo, só vão afastando seus filhos e, entçao,começa a adolescência… tantas dúvidas e perguntas, e a quem recorrer?, será que podem perguntar a mãe?? Mas como ela vai reagir? Será que hoje está de bom humor? Está pronta para ser amiga, ou será que hoje o dia é de levar bronca? Bom a melhor escolha então é procurar um amigo, conversar com ele. E nesse momento começam os perigos… na maioria das vezes os amigos também estão com as mesmas dúvidas, outras vezes, nem são tão amigos assim, e acabam prejudicando a formação de opiniões, levando ao que chamamos de “mau caminho”.

 

Muita vezes, os pais trabalham fora e o adolescente acaba ficando sozinho, e, se algo está errado,  tudo o que os pais fazem é brigar,  mas não é com briga que se resolvem os problemas e sim com conversas diárias que na verdade previnem os erros, mas quando nada de errado acontece, nunca acontece um diálogo… As vezes os pais são alertados do que está acontecendo e, além de ignorar, ainda ficam bravos com as pessoas que estão alertando-os… e assim vão surgindo, essas crianças e adolescentes que dão trabalho nas escolas, aprontando o que vem em mente.

 

Temos aqueles pais que não brigam e deixam os filhos fazer tudo o que querem, eles até fazem todas as suas vontades, quando eles começam a ter contato mais direto com a sociedade, temos essas pessoas que surtam toda vez que são contrariadas nas escolas, faculdades, trabalhos e etc.

 

E aqueles que os filhos são bons são eles, os pais, que aprontam, atrapalhando a vida dos filhos… é triste, mas conheço este tipo também. Filho inteligente, esforçado, querendo ser alguém na vida e os pais atrapalhando, os deixando irritados atrapalhando, por exemplo, no serviço, brigando por coisas que não são sérias, como por exemplo, quando o filho busca uma ajuda com amigos que podem dar apoio para ele crescer ainda mais o indicando, por exemplo, em uma boa empresa, enfim… mostrando um mundo melhor. Quando esses tipos de pais se sentem ameaçados, a primeira coisa que fazem é proibir a amizade, gerando revolta e discussões.

 

Muitas vezes uma super proteção de um determinado filho e desprezo para com o outro, por que parece com alguém que não é bem vindo na família, por exemplo, ou porque tem algum tipo de deficiência, enfim… e como esta criança cresce??? Conheço um rapaz que sempre foi desprezado por toda família, por quê? Não tem nenhum motivo concreto, pois é esforçado e batalhador. Traumas e ressentimentos da infância o deixaram com várias dificuldades em sua vida adulta, mas  comolidar com os traumas que trazemos da infância? Ser muitas vezes desprezado pela própria mãe, quando encontra um carinho fora de casa, o que acontece?  A mãe se revolta, se sente ameaçada e a pessoa abandona tudo se volta para mãe, afinal, mãe é mãe, certo? E quando volta, a mãe não o acolhe, e o afasta de novo. Como lidar como uma situação como essa? O que fazer da vida?

 

Algumas vezes os pais tomam decisões para a própria vida, acreditando que para eles estará tudo confortável, mas até onde isso não está prejudicando o crescimento de seus filhos? Um exemplo claro disto, é uma família, onde o pai resolveu que moraria em uma casa de apenas dois cômodos por anos a fio… coitado? Ele não tinha condições? Não, condições ele tinha sim, mas ele estava no que chamamos de sua “zona de conforto”, e o que aconteceu? O casal teve filhos e eles foram criados ali… todos juntos. Porém as crianças foram crescendo, crescendo e ficaram adultas… imaginem quantas coisas se passaram… quantas vezes queriam ter o próprio cantinho? Quantas vezes queriam chorar sozinhos ou ter liberdade de, por exemplo, uma troca de roupa sem interrupções? E a intimidade dos pais? E tantas outras coisas… e eu pergunto, como chegaram na fase adulta? Complicado não é? Parece uma decisão boba, mas que afetou a vida dessa família de muitas formas.

 

Outro exemplo é o pai manter duas famílias e a esposa fingir que não sabe de nada, ao mesmo tempo, quando a incomoda, ela age como se estivesse com desconfiança para ter uma crise de ciúmes… as crianças vão crescendo nesse meio, sem entender direito. Quando começam a entender um pouco da vida, começa a revolta, depois a vontade de defender a mãe e, depois, descobrem que a mãe não quer ser defendida, pois prefere continuar vivendo dessa forma…. e então? Será que nunca ocorreu um pensamento, mesmo que rápido, para esses pais que estas decisões da vida deles afetaram em cheio a vida dos filhos?… que isso pode atrapalhá-los em vários aspectos, desde o mais fácil de imaginar, que é a dificuldade para eles manterem um bom relacionamento, até coisas que nem imaginamos que podem ocorrer?. E se um filho do casal encontra a filha da amante e, com aquela aproximação, o laço sanguíneo começa a despertar… como eles não sabem que são irmãos, podem confundir e até achar que estão apaixonados um pelo outro, e ai? Difícil não é?

 

Como pode ter um pai que olha com malícia para a própria filha, porque ela o faz lembrar quando a mãe era jovem e hoje já é falecida? Começa a super proteção, o ciúmes, atrapalhando o o relacionamento, querendo que ela viva só para ele…

 

Com alguns comentários como esses, eu pergunto à vocês… os pais possuem ou não o poder de destruição de um futuro nas mãos?

 

Eu sempre fui bastante comunicativa e sempre estive a disposição para todos os amigos terem, em mim, um diário e, com isto, convivi com eles muitas histórias.

 

Anissima!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *