Proibições e Liberações

Olá Amigos,

 

Todos nós já ouvimos e muitas vezes já discutimos sobre algumas proibições e liberações que acontecem no Brasil e no mundo.

As três mais comentadas na atualidade brasileira é o aborto, a liberação das drogas – principalmente da maconha – e o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Toda vez que esses temas entram em discussão há grandes grupos contra e a favor, mas creio que a liberação ou proibição não deveria ser o foco das discussões e ações, mas sim a causa.

Não é sobre a legalidade da liberação das drogas que temos que discutir. A sociedade tem que discutir sobre o problema de termos usuários de drogas. A discussão tem que ser em torno de como diminuir o consumo de drogas.

Hoje temos drogas legalizadas como o álcool e o tabagismo e o fato de legaliza-las não diminuiu o consumo dos mesmos. Apenas tornou-se legal abrir empresas para a produção dessas drogas e permitido o uso delas em qualquer lugar.

A liberação das demais drogas levaria a mesma consequência, ou alguém é capaz de achar que com a liberação as pessoas deixaram de consumir? Claro que não, ao contrário, pessoas que hoje não consomem passarão a consumir.

Então porque não continuamos com a proibição? Porque a proibição hoje só está no papel. É possível ver pelas ruas de qualquer grande cidade desse país o uso indiscriminado de todos os tipos de drogas. Se o congresso nacional ainda não liberou, a corrupção liberou.

A nossa colunista Anissimasp trabalha no Edifício Itália na Praça da Republica, centro da capital de São Paulo. Próximo ao trabalho dela tem a Praça São José, entre a Av. São Luís e a Rua 7 de abril.

Ela já comentou que por diversas vezes passou nessa praça no horário do almoço e foi fumante passiva de maconha devido ao grande número de usuários. E são todos mendigos, moradores de rua? Não, são usuários que muitas vezes trabalham nos escritórios dos prédios ao redor da praça. Mas o mais impressionante é que essa praça dificilmente está sem a presença de policiais. Isso mesmo, o uso é feito diante da policia militar e não é feito nada.

Eu duvido que as pessoas comprem a maconha em outro ponto da cidade, tenho certeza que a droga é comercializada lá mesmo, durante o horário de almoço entre o vai e vem dos transeuntes.

Como que toda essa droga entra no Brasil? Como chegam aos grandes centros? Tudo é através da corrupção e por causa do valor movimentado com essas transações que nada é feito de efetivo para impedir que a droga chegue aos usuários.

Porém o impedimento que a droga chegue ao usuário só impede que novas pessoas sejam viciadas. É necessário fazer um tratamento de desintoxicação na sociedade. Se não houver procura, não haverá oferta de mercado e nem necessidade de continuar proibindo ou liberando drogas.

 

Os outros dois assuntos discutidos quanto à liberação eu acho que não cabe à sociedade aceitar ou não. Isso é uma decisão individual e que a liberação ou a proibição não vai impedir as pessoas de fazerem. Só faz que as pessoas fiquem na clandestinidade.

Uma mulher que seja impedida de fazer um aborto em um hospital acompanhado de uma equipe médica, provavelmente tomará medicação ou algum outro método para causar o aborto espontâneo, só que com isso ela coloca em risco a vida dela também.

Eu Samuel sou contra o aborto, mas não sou eu quem vai decidir se uma mulher que foi violentada, está gestante de uma criança em má formação ou qualquer outra situação deve ou não levar a gravidez até o fim.

Às vezes é melhor que ela aborte do que abandone a criança em condições subumanas como temos visto através da mídia.

O terceiro assunto não é menos polemico do que o aborto. Qual a sua opinião sobre o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo?

Gente não cabe a nós discutirmos isso. A homossexualidade ao contrário do que muitos pensam é uma condição e não uma opção. E cabe ao homossexual escolher se irá viver essa condição ou não.

Também sou contra as pessoas que acham que o homossexual é obrigado a assumir e viver sua sexualidade. As pessoas devem viver da forma mais confortável para elas.

E muito dos leitores desse site são de religiões que são contra o aborto e a homossexualidade, mas o que é preciso entender é que o fato de proibir não impede que eles aconteçam e o fato de liberar não obriga ninguém a fazer.

Hoje não é permitido o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo no Brasil. Os mais radicais acha que essa liberação é o fim do mundo, etc., mas isso impede que os homossexuais mantenham seus relacionamentos aventureiros e estáveis? A proibição da igreja sobre a fornicação, prostituição e adultério conseguiu fazer com que isso fosse evitado? A abominação ao aborto impediu que muitas mulheres e crianças morressem por causa dessa prática?

Segundo a sua crença, todos os seres humanos terão salvação? Irão morar no paraíso?

Então deixemos cada um cuidar da sua vida, cada qual escolha fazer o que for melhor para si.

Se os praticantes de tais atos irão penar pela eternidade no inferno, deixarão de desfrutar as maravilhas do paraíso é uma escolha deles.

Vou utilizar aqui um exemplo segundo a doutrina de algumas igrejas evangélicas e da igreja católica romana:

 

– Um rapaz homossexual deixa de viver sua homossexualidade e comete a fornicação com uma mulher. Qual a diferença do castigo eterno que ele terá? Terá um inferno menos quente para ele ou um lugar pior no paraíso?

 

– Uma mulher que não aborte, mas não cuide do filho, o abandone causando às vezes a morte da criança por ter sido jogada na rua ou em outros lugares. Ou mesmo que cuide da criança, mas que cometa a fornicação, prostituição ou adultério. Haverá diferentes castigos para diferentes pecados?

 

Se não há diferentes infernos e nem diferentes céus, deixem que cada um faça sua opção de vida e ao final acerte as contas com o verdadeiro Juiz.

Vocês tem liberdade de expressão, então se expressem dentro de seus templos e não no congresso nacional, não assumam o papel de Deus na vida da sociedade.

A sociedade é livre para optarem por religiões, partidos políticos, times de futebol, casar ou ficar solteiros, casar com homens ou mulheres, fazer ou não aborto.

Àqueles que não possuem religião ou tem visões diferentes das citadas acimas, também não vejo com o que se preocupar.

O importante é lembrarem que o fato de liberar uma pessoa branca casar com uma pessoa negra, um índio casar com um oriental, uma pessoa alta casar com uma pessoa baixa, não obrigou as demais fazerem a mesma.

Negros continuam podendo casar com negros, índios com índios, brancos com brancos. Somente liberou a miscigenação. A mesma coisa acontece com o casamento e o aborto.

Não haverá ninguém obrigando ninguém ao homossexualismo ou ao aborto, estaremos apenas permitindo que cada um faça sua opção e arque com suas consequências.

 

Mas sinceramente, assim como mulheres foram perseguidas e queimadas, negros foram escravos e mais um monte de absurdos causados no passado e que hoje sabemos que tudo foi um absurdo, haverá um dia em que a sociedade dirá: como a sociedade do século XX e início do XXI pode evoluir tanto em determinados assuntos e ficarem tão atrasados nos demais.

Eu acredito que os erros cometidos pela sociedade hoje sejam corrigidos e a luta dos que hoje lutam por igualdade e um estado laico valha a pena.

 

 

Abraços, Sam.

 

Um comentário em “Proibições e Liberações

Deixe uma resposta