União não por mera coincidência

Olá amigos,

 

Sempre que as pessoas conhecem a Ana e eu, admira da nossa união, mas o que as pessoas não param para pensar foi o que causou essa união.

Quando minha mãe morreu só tínhamos duas opções, ou nos uníamos para sobrevivermos juntos ou cada um teria que ir para um lado e se entregar a própria sorte e enfrentar as adversidades da vida sozinhos.

Considero-me uma pessoa de muita sorte, pois nos momentos mais difíceis da minha vida ela esteve do meu lado e jamais me senti cansado por estar ao lado dela nos momentos difíceis dela também.

Claro que tudo isso é um exercício de paciência, é como em um casamento. Nos momentos em que eu não estou bem, ela sabe como se aproximar e conversar ou apenas ficar do lado, assim como eu também faço e acima de tudo o mais importante é o respeito que tem que estar acima de tudo.

Muitos relacionamentos não dão certo por falta desses dois itens tão importantes: o respeito e a paciência.

Quando namorados e/ou noivos, tudo é mais fácil, afinal não se convive com a pessoa e sempre pode se encontrar quando se estiver com o humor em alta, mas no dia-a-dia é preciso aprender a respeitar as vontades do outro e ter paciência com as variações de humor.

Sempre quando o assunto é relacionamento as pessoas citam o amor como solução para tudo, mas o amor não é suficiente para sustentar um relacionamento, às vezes é mais fácil um relacionamento sobreviver na base do respeito e da paciência do que só na base do amor.

Há alguns relacionamentos que com o tempo o amor vira um amor fraternal onde o respeito e a paciência superam as dificuldades e duram para sempre.

Se você está a fim de estabelecer um relacionamento pense nisso e esteja acima de tudo disposto a manter esse relacionamento até o fim.

Abraços. Sam.

 

Deixe uma resposta